Em uma rede social, Eduardo Leite criticou a fala do presidente Jair Bolsonaro que pediu o fim do 'confinamento em massa'.

Bolsonaro se manifestou em rede nacional na noite desta terça-feira (24).

Políticos e o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMRS) reagiram, nesta quarta-feira (25), ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia da Covid-19.

Na noite da terça (24), o presidente se manifestou em rede nacional e pediu a "volta à normalidade", o fim do "confinamento em massa", além de dizer que os meios de comunicação espalharam "pavor" sobre o coronavírus.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, usou um perfil de rede social para se manifestar.

Ele afirmou que é urgente promover alternativas ao confinamento, mas que "não se faz isso com ataques à ciência e cautela médica mundialmente estabelecidas".

"Protege-se a vida, depois os empregos", pontuou o governador.

Contrariando o que é orientado por especialistas e autoridades sanitárias do país e do mundo inteiro no que diz respeito ao combate da proliferação do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro criticou o pedido para que todos aqueles que possam, fiquem em casa (veja abaixo trecho do que foi dito). Bolsonaro contraria especialistas e autoridades e pede fim do ‘confinamento em massa’ O Rio Grande do Sul tem 112 confirmados, segundo boletim divulgado na noite da terça (24).

A prefeitura de Porto Alegre confirmou a primeira morte pela doença no estado na madrugada desta quarta (25).

O prefeito Nelson Marchezan Jr.

divulgou a informação, mas ainda não foi oficializada pela Secretaria Estadual da Saúde. Para o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMRS), as medidas adotadas pelo Ministério da Saúde para o enfrentamento da pandemia estão de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde, e "em consonância com as políticas seguidas por outros países gravemente afetados pelo número elevado de casos". Segundo a entidade que representa os médicos, "não podemos desmobilizar a população nas medidas fundamentais de contenção para evitar mortes.

Essas medidas foram implementadas com muito esforço pelas autoridades e por profissionais de saúde.

Estas pessoas se colocam em risco para ajudar a população".

(leia a nota completa abaixo) Políticos e autoridades do Brasil inteiro reagiram ao discurso de Bolsonaro.

Prefeitos, deputados estaduais e deputados federais eleitos no Rio Grande do Sul também usaram as redes sociais para se manifestar.

Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul "É urgente encontrar alternativa ao confinamento.

Mas não se faz isso com ataques à ciência e cautela médica mundialmente estabelecidas.

Não deixamos de olhar economia/empregos.

Mas não assistiremos inertes a uma doença se alastrar.

Protege-se: 1) a vida; 2) os empregos.

Nesta ordem" Luciana Genro (PSOL), deputada estadual "Bolsonaro é um criminoso irresponsável.

Fez um pronunciamento absurdo, segue tratando o coronavírus como uma gripezinha, delira ao pedir para reabrir escolas, comércios e acabar com o isolamento e ainda culpa a imprensa pelas mentiras que ele conta.

Bolsonaro não pode continuar!" Juliana Brizola (PDT), deputada estadual "As declarações de Bolsonaro, definitivamente, são um desserviço ao povo brasileiro.

Não há o que comentar.

É um desrespeito com a comunidade científica, com o próprio Ministério da Saúde e com a população.

Se há uma orientação a ser seguida nesse momento é: não escute Bolsonaro." Pepe Vargas (PT), deputado estadual "Chega Bolsonaro, reconheça sua limitada atuação e falta de decência.

Suas palavras são de ameaça, conflito, deboche e irresponsabilidade.

Pede união e reforça o conflito com a imprensa, com governadores e prefeitos!Um ABSURDO o que vimos em rede nacional" Sofia Cavedon (PT), deputada estadual "A fala de Bolsonaro nessa noite foi a prova que faltava de sua demência ou de sua irresponsabilidade com a vida do povo.

Enquanto a Espanha chora mais de 500 mortes e a Itália mais de seiscentas de ontem para hoje, ele volta a chamar de gripinha o vírus letal! #ForaBolsonaro" Jeferson Fernandes (PT), deputado estadual "Ninguém aguentou escutar Bozonaro sem ir pra janela e bater panela.

Mais uma vez não acrescentou nada para fortalecer o espírito das famílias brasileiras no enfrentamento da pandemia.

Que vergonha." Gabriel Souza (MDB), deputado estadual "A conclusão que eu chego é que se os atletas estão imunes ao vírus, eu estou 100% no grupo de risco." Dirceu Franciscon (PTB), deputado estadual "Não podemos menosprezar o Covid-19 achando que é apenas uma gripe qualquer.

Ela faz vítimas.

Muitas pessoas já morreram em todo o mundo.

Em Porto Alegre, tivemos a primeira morte na noite de ontem, uma senhora de 91 anos.

Portanto, vamos seguir as orientações da OMS..." Dr.

Thiago Duarte (DEM), deputado estadual "As vidas, as pessoas, a família, são mais importantes que a economia, nos recuperamos das guerras, vamos superar com muita higiene, cuidado e ficando em casa.

#CORONAVIRUSnoRS" Fábio Ostermann (NOVO), deputado estadual "Lamento q Presidente desperdice um comunicado em rede nacional dessa forma.

Promoção pessoal, críticas à imprensa e confiança excessiva no desenvolvimento imediato de um remédio.

Faltou anúncio de um plano, medidas concretas, ações coordenadas c/estados e novos investimentos." Ruy Irigaray (PSL), deputado estadual "Eu e as minhas filhas tivemos o H1N1, febre alta e dor no corpo.

Pensamos que era uma gripe comum, fiz o exame e deu positivo, porém recebi o resultado depois de curado.

Fico pensando se na época tudo tivesse parado por meses, comércio, indústria, escolas...

VAMOS REFLETIR." Mateus Wesp (PSDB), deputado estadual "Para quem se diz conservador e contra a ditadura chinesa - que despreza a dignidade das pessoas ao tratar as mortes de cidadãos como estatística - Bolsonaro, ao sequer mencionar as 46 mortes pelo Coronavírus e pensando, primeiro na economia, depois nas vidas, parece comunistinha." Paulo Pimenta (PT), deputado federal "Bolsonaro em cadeia de rádio e TV reafirmou todas suas absurdas teses sobre o Coronavírus.

Contrariando todas as recomendações da OMS, critica os gestores que tiveram a coragem que ele não teve para entrentar a Pandemia.

Seu governo levará o País a uma tragédia sem precedentes" Marcon (PT), deputado federal "O cúmulo da depravação total! Bolsonaro é disparado o pior presidente da história do Brasil: essa irresponsabilidade pode custar milhares de vidas, vidas que ele transparece pouco se importar." Henrique Fontana (PT), deputado federal "Mais uma vez Bolsonaro atenta contra a saúde pública ao minimizar a pandemia do Coronavírus.

O presidente de uma nação devia colocar o povo como prioridade, não o dinheiro.

A atitude do presidente é irresponsável e deslocada da realidade." Bohn Gass (PT), deputado federal "Mas que conversa é essa de o presidente entrar em rede nacional para não anunciar uma medida sequer? Usar a rede nacional para opinar sobre a mídia? Este é o pior governo da história! #AcabouBolsonaro" Mária do Rosário (PT), deputada federal "Porque ñ te cala, incompetente!? Ocupa Rede Nacional pra debochar de quem está doente, dizendo q ele só teria uma “gripezinha”?" Bibo Nunes (PSL), deputado federal Presidente foi firme na sua fala na TV e passou segurança para todos.

Foi bem esclarecedor.

Os urubus de plantão, com olhos na nuca, vão achar problemas em tudo que ele falou.

A oposição contra tudo e a favor de nada, só quer pânico e caos.

Só que os brasileiros querem o melhor! Pompeu de Mattos (PDT), deputado federal "Pronunciamento de Bolsonaro foi uma calamidade política, desrespeita orientações da comunidade científica, das ações do Min.

da Saúde, do planeta.

É um desserviço à sociedade, atrapalha o trabalho dos Estados e Municípios, debocha os efeitos da Pandemia.

Estamos à deriva." Fernanda Melchionna (PSOL), deputada federal "Gente @jairbolsonaro é surreal.Critica quem fez isolamento social e diz que é para manter a normalidade quando é urgente fazer a suspensão de atividades com garantias de direitos.

Está na contramão da história.O problema é as vidas que estão cada vez mais em risco.

#ForaBolsonaro" Daniel Trzeciak (PSDB), deputado federal "Usar o horário nobre, em cadeia nacional, para ironizar, provocar e não apresentar medidas para a crise que os brasileiros estão passando é lamentável.

Ainda mais quando a manifestação é da maior autoridade do país.

Precisamos e queremos mais! #atitudepresidente" Nota do Cremers: Sobre o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite de terça-feira (24), o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (Cremers) destaca os pontos a seguir. As medidas até o momento adotadas pelo Ministério da Saúde para o enfrentamento da pandemia Covid-19 estão de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde e em consonância com as políticas seguidas por outros países gravemente afetados pelo número elevado de casos. Os profissionais da área da saúde e especial a classe médica devem ser os norteadores das condutas a serem adotadas na crise atual, pelo conhecimento técnico necessário para a mitigação dos danos à saúde coletiva causados pela pandemia, que, em última instância, causam a morte de doentes acometidos, especialmente idosos e/ou portadores de comorbidades. Os dados disponíveis sugerem uma taxa de duplicação de casos no Brasil a cada 2-3 dias, com mais de 2200 casos confirmados e pelo menos 46 mortes até hoje.

Até o momento, o Brasil vem apresentando um comportamento epidemiológico superponível ao de países gravemente afetados na Europa e aos Estados Unidos. O trabalho sério e dedicado de toda uma rede nacional e mundial de médicos, cientistas e desenvolvedores de tecnologias em saúde deve ser levado em consideração no planejamento de estratégias.

De nenhuma forma, esses profissionais ensejam o pânico, mas, sim, medidas necessárias para evitar a progressão descontrolada da doença. Não podemos desmobilizar a população nas medidas fundamentais de contenção para evitar mortes.

Essas medidas foram implementadas com muito esforço pelas autoridades e por profissionais de saúde.

Estas pessoas se colocam em risco para ajudar a população. Continuaremos nosso esforço para a divulgação de informações de cunho oficial e de utilidade para o enfrentamento da crise, sempre dentro dos preceitos científicos e éticos que norteiam a prática da Medicina.

A responsabilidade de zelar pela saúde dos indivíduos é a prioridade do Cremers dentro do cenário atual, baseado nas melhores evidências científicas disponíveis sobre a situação. Reforçamos que o Cremers continua ao lado dos médicos, da população e da ciência, para que a sociedade civil unida possa superar mais essa dificuldade. Coronavírus: infográfico mostra principais sintomas da doença Foto: Infografia/G1 Initial plugin text