Polano foi suspenso no último dia 30 junho, após o ajuizamento de uma ação civil pública pelo Ministério Público da Paraíba para impedir a abertura de mais 83 lojas de um shopping.

Justiça nega pedido de prefeitura e mantém suspenso o plano de flexibilização em Cabedelo, PB Arte: Diogo Almeida/G1 O juiz João Batista Barbosa negou o pedido feito pelo município de Cabedelo, na Grande João Pessoa, para flexibilizar a retomada de atividades comerciais a partir do dia 1º de julho.

A decisão mantém suspenso o decreto que cria um plano que torna menos rígido o isolamento social na cidade. À TV Cabo Branco, a assessoria de comunicação da prefeitura de Cabedelo informou que vai consultar o procurador do município para emitir um posicionamento oficial sobre a decisão judicial. Justiça determina que Cabedelo suspenda plano de flexibilização A flexibilização das atividades foi suspensa no último dia 30 junho, após o ajuizamento de uma ação civil pública pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) para impedir a abertura de mais 83 lojas de um shopping, localizado entre Cabedelo e João Pessoa. O descumprimento da decisão pode acarretar à Prefeitura de Cabedelo uma pena diária de R$ 100 mil. No pedido de liminar apresentado antes do prazo de 15 dias determinado pela Justiça, o município alegou que os leitos do hospital municipal destinado para pacientes com Covid-19 não estavam ocupados e que os pacientes em estado grave podem ser transferidos para unidades de referência para o tratamento do novo coronavírus na Grande João Pessoa. Para o juiz que analisou a solicitação, flexibilizar o isolamento social na cidade contraria as medidas propostas pelo ‘Plano Novo Normal PB’, elaborado pelo governo do estado, que sinaliza a situação de cada um dos 223 municípios paraibanos durante a pandemia de Covid-19. De acordo com o plano, Cabedelo se enquadra na bandeira laranja que permite apenas a prática de atividades consideradas como essenciais. Plano de flexibilização de Cabedelo O protocolo de flexibilização de Cabedelo determinava a abertura gradativa do comércio a partir da última segunda-feira (29).

De acordo com o prefeito Vitor Hugo (DEM), todo o comércio varejista iria começar a funcionar com 50% da capacidade, enquanto que o atacadista, com 70%.

Segundo o gestor, deveria haver limitação para a entrada dos consumidores nos estabelecimentos, de acordo com o tamanho da loja. Os protocolos para a flexibilização da atividade econômica no município foram publicados no site da prefeitura e trazem também regras para bares e restaurantes, que também estavam liberados para funcionar com 30% da capacidade.

Salões de beleza e academias de ginástica poderiam funcionar com atendimento agendado. No vídeo postado por Vitor Hugo, ele justificou a medida de flexibilização com o argumento de que a cidade já atingiu a estabilidade em relação aos contágios.

Segundo ele, o município já apresenta redução nos casos e não foram registradas mortes nos últimos 15 dias. O gestor também falou sobre a construção civil, que já está funcionando com 100% da capacidade, e que 80% dos moradores da cidade que tiveram a doença estão recuperados. À TV Cabo Branco, a assessoria de comunicação de Cabedelo informou que vai consultar o procurador do município para emitir um posicionamento oficial sobre a decisão judicial. A flexibilização das atividades foi suspensa no último dia 30 junho, após o ajuizamento de uma ação civil pública pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) para impedir a abertura de mais 83 lojas de um shopping, localizado entre Cabedelo e João Pessoa. O descumprimento da decisão pode acarretar à Prefeitura de Cabedelo uma pena diária de R$ 100 mil.

No pedido de liminar apresentado antes do prazo de 15 dias determinado pela Justiça, o município alegou que os leitos do hospital municipal destinado para pacientes com Covid-19 não estavam ocupados e que os pacientes em estado grave podem ser transferidos para unidades de referência para o tratamento do novo coronavírus na Grande João Pessoa. Para o juiz que analisou a solicitação, flexibilizar o isolamento social na cidade contraria as medidas propostas pelo ‘Plano Novo Normal PB’, elaborado pelo governo do estado, que mostra sinaliza sobre a situação de cada um dos 223 municípios paraibanos durante a pandemia de Covid-19. De acordo com o plano, Cabedelo se enquadra na bandeira laranja que permite apenas a prática de atividades consideradas como essenciais.