Os líquidos rotulados como cachaça e pinga eram vendidos em várias cidades da região, como Ubá, Viçosa, Cataguases, Muriaé, Manhuaçu e Matias Barbosa.

Galpão usado para adulteração de bebidas alcoólicas foi interditado em Ubá Polícia Civil/Divulgação A Polícia Civil, a Vigilância Sanitária e o Procon de Ubá deflagraram nesta sexta-feira (26) a segunda fase da operação de combate à adulteração de bebidas alcoólicas.

Um galpão onde funcionava uma fábrica foi interditado e diversos materiais foram apreendidos. Operação de combate a adulteração de bebidas alcoólicas é deflagrada em Ubá De acordo com o delegado Regional de Ubá, Diêgo Candian Alves, foram localizados recipientes de marcas famosas e tampas com lacre, novas.

No local também foi constatada a presença de ração para animais e veneno para ratos, em meio às bebidas.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão no galpão, foram encontrados insumos para adulteração de bebidas, como essências de sabores, líquidos alcoólicos, garrafas plásticas e de vidro, além de tonéis de vários tamanhos.

O local foi interditado pela Vigilância Sanitária de Ubá, que nomeou depositário fiel para guardar os produtos até a definição da destinação dos.

A perícia criminal da Polícia Civil coletou amostras de materiais para análises químicas.

Os líquidos rotulados como cachaça e pinga eram vendidos em várias cidades da região, como Ubá, Viçosa, Cataguases, Muriaé, Manhuaçu e Matias Barbosa.

O proprietário não foi encontrado no local.

Primeira fase A primeira fase da operação foi realizada em abril deste ano.

Na ocasião, Um caminhão-tanque transportando sete mil litros de álcool foi localizado no Bairro Paulino Fernandes.

A mercadoria não tinha notas fiscais que comprovassem a origem lícita.

O transporte da carga estava sendo feito para o interior de uma residência, onde foram encontrados tanques e barris para armazenamento de bebidas. Um homem foi encaminhado à Delegacia e responde a um inquérito policial, em liberdade.