Isac Ferreira morreu na UPA Cidade da Esperança.

Ivo Barbosa esperou 12 dias até se transferir para o Giselda Trigueiro, onde morreu com Covid-19.

Isac Ferreira tinha 55 anos Cedida Dois pacientes de 55 anos morreram em Natal após esperar por um leito de UTI na capital potiguar.

Um deles conseguiu ser internado após 12 dias de espera, por conta de uma decisão judicial movida pela família.

Mas, após 2 dias no Hospital Giselda Trigueiro, não resistiu e morreu com o coronavírus.

O outro sequer conseguiu ter o tratamento adequado para casos graves de Covid-19. Isac Ferreira Azevedo, de 55 anos, ficou internado por quatro dias na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Cidade da Esperança.

Ele buscou a unidade na segunda-feira (25) com dificuldades para respirar.

Internado, ficou no aguardo de um leito de UTI, já que necessitava ser entubado.

Nesta sexta-feira (29), a família recebeu a notícia de que ele havia morrido.

O exame confirmou coronavírus nesta tarde. MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos Memorial das vítimas: conheça a história de potiguares que morreram com a doença O filho dele, Fernando Ferreira, contou que na quinta-feira havia a expectativa de que o pai, que sofria com problemas renais, fosse entubado na manhã desta sexta-feira, o que não ocorreu.

"Recebemos a notícia de que meu pai faleceu por negligência e incompetência.

A batalha que a gente veio passando...Perdi meu pai por negligência do que aconteceu aqui", desabafou. O pai dele, Isac Ferreira, já havia buscado atendimento anterior na UPA de Cidade Satélite na semana passada.

"Se vocês tiverem pai, mãe, irmão...

Essa doença não é brincadeira, não é brincadeira", alertou o rapaz. Em nota, a Secretaria de Municipal de Saúde de Natal (SMS) disse que o paciente foi atendido na UPA Cidade da Esperança "onde teve todo o atendimento necessário".

"O quadro clínico do paciente se agravou e o tipo de de procedimento que ele precisava só poderia ser realizado em leito de UTI.

Foi solicitada a regulação e o paciente ficou aguardando a vaga.

Infelizmente o paciente veio a óbito".

Ivo Barbosa, também de 55 anos, precisou aguardar até mais tempo por um leito de UTI.

Ele ficou 12 dias na UPA Cidade da Esperança e em estado crítico, necessitando de entubação.

A família conseguiu na Justiça que ele fosse transferido para o Hospital Giselda Trigueiro na quarta-feira passada.

Nesta sexta-feira (29), no entanto, ele não resistiu e morreu com Covid-19, pneumonia e falência múltipla dos órgãos. Ivo Barbosa também tinha 55 anos Cedida O homem deu entrada na UPA Cidade da Esperança no dia 15 de maio com um anemia crônica.

Após alguns dias internados, ele começou também a apresentar sintomas do novo coronavírus - que foi confirmado em exame posterior.

A filha dele, Kelly Barbosa, contou que há alguns dias a situação do pai já era crítica: ele não conseguia urinar e os rins estavam praticamente sem funcionar. De acordo com a plataforma Regula RN, que monitora a situação dos leitos no estado durante a pandemia, 22 pacientes no Rio Grande do Norte aguardam por leitos de UTI (4) e Semi-UTI (18).

Os dados foram consultados às 19h20 desta sexta-feira (29). Pacientes à espera de leitos Divulgação Pacientes aguardam leito Alguns outros casos semelhantes têm sido registrados no estado.

O idoso Antônio Alfredo Ferreira, de 70 anos, está desde terça-feira (26) internado com suspeita de coronavírus na UPA Macaíba e sem conseguir leito de UTI.

"Ele já é idoso de 70 anos e eu não sei mais o que fazer.

Eu vim ontem aqui à tarde visitá-lo, porque me disseram que ele está aguardando um leito e até agora nada.

Só o que eles sabem me dizer é isso", falou o filho Vilanir. O sargento da Polícia Militar Altair Mourão, de 51 anos, também aguardou mais de um dia e meio para conseguir nesta sexta-feira a transferência da UPA de Macaíba para a UTI do Hospital da Polícia Militar.

A idosa Zeneide, de 64 anos, também esperava desde terça-feira um leito e conseguiu ser transferida para o Hospital Municipal de Natal na madrugada desta sexta-feira.

"Agora a família está mais aliviada por saber que ela está no leito de uma UTI sendo bem tratada, com todos os recursos merecidos.

Vamos continuar na torcida e caminhando com fé em Deus", falou a filha Vânia. Initial plugin text