Presidente dos EUA, porém, não detalhou um critério para retomada das viagens e afirma que Brasil passa por tempos difíceis e comenta que Bolsonaro seguiu 'um caminho diferente' ao se posicionar contra medidas como lockdown.

Presidente dos EUA fala durante apresentação de plano de reabertura do país nesta sexta (29) Jonathan Ernst/Reuters O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (29) que pretende retirar as restrições de viagens impostas a quem chega em solo norte-americano pelo Brasil "assim que for possível".

No entanto, ele não deu nenhuma data para voltar atrás da medida nem disse se haveria um critério para a retomada. Por causa da pandemia do novo coronavírus, os EUA começaram na quarta-feira a barrar a entrada de pessoas que estiveram no Brasil até 14 dias antes de pousar em solo norte-americano.

As restrições incluem cidadãos dos EUA, parentes ou pessoas com visto permanente. VEJA TAMBÉM: O que dizem as empresas aéreas sobre a restrição O governo dos EUA também impôs restrições de viagens a outros países, como a China, o Reino Unido e os integrantes da União Europeia — todos por causa da pandemia de Covid-19.

Trump já vinha estudando proibir também entrada de pessoas que estiveram no Brasil após o aumento nos casos. Bolsonaro 'seguiu caminho diferente' Presidente dos EUA, Donald Trump, durante coletiva na Casa Branca nesta sexta-feira (29) Jonathan Ernst/Reuters Perguntado pela repórter Raquel Krähenbühl, da GloboNews, sobre a posição do governo brasileiro contrária a medidas como lockdown em um momento de escalada da pandemia, Trump se limitou a dizer que o presidente Jair Bolsonaro "seguiu um caminho diferente", mas que "não queria ser um crítico". "[O Brasil] está passando por tempos difíceis.

É um grande país, com um grande povo", comentou o presidente dos EUA. Brasil e Estados Unidos são os dois países com mais casos do novo coronavírus, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Nos EUA, o número de mortes por Covid-19 bateu a marca de 100 mil nesta semana. VEJA TAMBÉM: Trump rompe com OMS e faz duras críticas à China Initial plugin text