Cidade foi incluída na fase 3, a amarela, da flexibilização, que deve começar a valer na segunda-feira (1º).

Plano de retomada em Presidente Prudente foi anunciado nesta sexta-feira (29) Aline Costa/G1 A partir do dia 1º de junho, começa a valer o plano de retomada das atividades econômicas de Presidente Prudente, que foi divulgado nesta sexta-feira (29), pela Prefeitura, durante entrevista coletiva, na sede da Fundação Inova.

Clique aqui e confira o plano na íntegra. O prefeito Nelson Roberto Bugalho (PSDB) afirmou ao G1 que para que a cidade siga na fase 3, a amarela, que é a de início, ou para que passe para a fase 4, que é a verde, é necessário que toda a população cumpra as regras estabelecidas no plano, que flexibiliza o funcionamento de estabelecimentos do comércio e da prestação de serviços, entre outros.

"É claro que é importante a conscientização das pessoas, dos comerciantes, dos prestadores de serviços, da população, de uma forma geral, é muito importante, se não vai comprometer a vida de todo mundo", ressaltou o prefeito ao G1. Com o início do plano de retomada, começará também uma fiscalização para o cumprimento das regras estabelecidas na fase 3.

"Nós seremos rigorosos na fiscalização.

O rigor na fiscalização é importante porque é a observância dessas regras que vai determinar se poderemos passar para a fase seguinte, que é uma fase mais flexível ainda, se nós permaneceremos na fase em que nós nos encontramos agora a partir do dia 1º, que é a fase amarela, ou até mesmo se vamos regredir, ou seja, voltar ao estado anterior.

Então, por isso, a fiscalização é importante.

Haverá uma fiscalização conjunta de vários organismos", informou Bugalho.

A fiscalização será feita pela Vigilância Epidemiológica, pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Presidente Prudente (Sedepp) e também por órgãos do Estado, como a Vigilância Sanitária.

A Coordenadoria da Defesa Civil também fiscalizará.

"Estou deslocando funcionários comissionados de outras secretarias que estão hoje quase paralisadas para a Sedepp, para prestar auxílio", disse o prefeito ao G1.

As consequências do não cumprimento, de acordo com o chefe do Poder Executivo, se baseiam na suspensão da atividade exercida pelo estabelecimento, podendo haver responsabilização civil e penal.

"Por inobservância de uma regra como essa, nós vamos comunicar à polícia e ao Ministério Público que aquele estabelecimento não está cumprindo as regras que foram estabelecidas e também, evidentemente, têm as multas que estão estipuladas pela área da saúde.

A principal medida contra aquele que violar é a suspensão da atividade, ou seja, a pessoa vai ficar suspensa e pode até mesmo perder seu alvará.

Essa, sem dúvida nenhuma, é a principal penalidade, porque pode representar a 'pena de morte' para o estabelecimento.

Estamos trabalhando para a proteção da vida das pessoas e para evitar que a gente regrida de fase", informou Bugalho ao G1.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Carlos Alberto da Silva Corrêa, detalhou ao G1 a respeito da situação dos boxistas do Camelódromo, diante do plano de retomada: "Nós já conversamos com parte desses boxistas e eles obedecerão o horário do comércio, até porque os horários das galerias e dos shoppings devem se estender até as 20h e não teria como os boxistas seguirem esse horário, uma vez que o horário do comércio em geral é até as 18h.

Então, os boxistas vão seguir o horário comercial", esclareceu. Com relação ao transporte coletivo, Bugalho afirmou que certamente haverá a necessidade de a empresa responsável colocar mais ônibus nas ruas. "Certamente a empresa, a partir do momento em que sejam retomadas as atividades econômicas, haverá um aumento do fluxo de passageiros e consequentemente a necessidade de se colocar mais ônibus.

Continuam valendo as regras que foram estabelecidas para o transporte coletivo, ou seja, não pode haver aglomeração de pessoas dentro dos ônibus.

Então, certamente isso deverá ocorrer a partir de segunda-feira [1º]", falou ao G1. O prefeito ainda acrescentou que horários diferenciados para o comércio e prestadores de serviços foram implementados para o período de flexibilização.

"Nós colocamos também horários diferenciados de comércios e prestação de serviços, justamente por conta do transporte coletivo, porque os trabalhadores do comércio se deslocam em um momento e os trabalhadores da prestação de serviços deslocam-se em outro momento.

Tanto para ir ao trabalho quanto para voltar para casa.

Com isso, nosso objetivo é evitar muitas pessoas no mesmo horário no transporte coletivo principalmente", salientou. O secretário municipal da Saúde, Valmir da Silva Pinto, esclareceu ao G1 o motivo de Presidente Prudente ter iniciado o plano de retomada já na fase 3, tendo em vista que a cidade não havia atingido o índice de isolamento social necessário.

"A avaliação e a análise feitas pelo Estado para fazer a divisão foram por região e por região de saúde.

Então, o Departamento Regional de Saúde (DRS) de Presidente Prudente possui hoje 42 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disponíveis à disposição da Covid-19.

E a média de ocupação desses leitos regional tem sido de 50%.

Por essa razão, Presidente Prudente foi inserida na terceira fase.

Nós precisamos manter ou não aumentar muito essa taxa de ocupação", explicou o secretário.

Ainda na área da saúde, o prefeito falou sobre a confirmação de um convênio feito junto ao Hospital Regional do Câncer, que deverá aumentar a capacidade de atendimento à população, tendo a possibilidade de aumentar os números de leitos de UTIs para a Covid-19.

O chefe do Executivo também ressaltou ao G1 sobre o funcionamento do Poupatempo, que não é de autonomia do município e, sim, do Estado.

Afirmou que até o momento não tem estabelecido quando o órgão deverá voltar a funcionar. Prefeitura de Presidente Prudente divulga plano de retomada das atividades econômicas na cidade; veja o decreto na íntegra Initial plugin text Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.