Na Coreia do Sul, parques e museus serão fechados novamente por duas semanas após país registrar o maior aumento de casos em quase dois meses.

Uma garçonete com luvas e máscara protetora carrega uma bandeja enquanto clientes são vistos em um bar em Barcelona, na ​​Espanha, nesta segunda-feira (25) Emilio Morenatti/AP A Europa acelerou seu desconfinamento nesta sexta-feira (29), enquanto a pandemia de coronavírus continua a avançar nas Américas, com mais de mil mortes em 24 horas nos Estados Unidos e no Brasil, e na Ásia cresce a preocupação com uma nova onda. Nos cinco meses desde o aparecimento em dezembro do coronavírus em Wuhan, na China, a Covid-19 matou cerca de 360.000 pessoas e infectou mais de 5,8 milhões, segundo dados oficiais, provavelmente muito abaixo da realidade. O impacto do vírus também tem sido letal para a economia mundial. Na França, a montadora Renault anunciou o corte de cerca de 15 mil empregos em todo mundo, 4.600 deles na França.

Também informou que "adaptará" suas capacidades na Rússia e suspenderá seus projetos no Marrocos e na Romênia. Sua parceira japonesa Nissan já havia anunciado na quinta-feira o fechamento de sua fábrica em Barcelona (Espanha) e a redução de 20% de suas capacidades até 2023. Já o PIB da Itália e da França caíram 5,3% no primeiro trimestre como resultado da pandemia, segundo dados publicados nesta sexta. Duramente atingida pela pandemia, com 175.760 óbitos em meio a dois milhões de casos, a Europa continua seu desconfinamento após a desaceleração da propagação do vírus. As fronteiras externas da União Europeia permanecem fechadas, e as internas serão reabertas gradualmente.

Neste mundo globalizado, o fechamento de fronteiras significou um revés nas relações pessoais. "É realmente difícil não poder sentir fisicamente nenhuma intimidade, dar um beijo, ou abraço", disse à AFP Melinda Schneider, canadense de 26 anos, que não vê seu namorado dinamarquês há mais de quatro meses. Volta do futebol Na tentativa de recuperar a normalidade, a Áustria reabre seus hotéis e infraestruturas turísticas, e a Turquia reabre parcialmente suas mesquitas. No Reino Unido, escolas e lojas poderão abrir a partir de segunda-feira (1º). Na França, museus, parques e cafés serão abertos na terça-feira (no caso de Paris, será permitido comer apenas nos terraços) e estarão autorizados deslocamentos de mais de 100 quilômetros de casa. O futebol também retorna.

A Alemanha retomou o campeonato em meados de maio.

Espanha, Inglaterra e Itália anunciaram na quinta-feira que farão o mesmo. Para a Premier League, a mais vista do mundo, será necessário aguardar até 17 de junho, após a Liga Espanhola (semana de 8 de junho) e logo antes da Itália (20 de junho). Marcus Ingvartsen, do Union Berlin, comemora um gol com os companheiros de equipe durante partida contra o FSV Mainz pelo campeonato alemão nesta quarta (27), durante o surto da doença por coronavírus (Covid-19) Odd Andersen/Pool via Reuters Preocupação no Brasil Nas Américas, o novo coronavírus continua fazendo estragos, com mais de 1.000 mortes em 24 horas nos Estados Unidos e no Brasil. País mais afetado no mundo com mais de 1,7 milhão de casos, os Estados Unidos registraram menos de 700 mortes em 24 horas durante três dias, mas a curva subiu novamente na quarta e quinta-feiras, com 1.401 e 1.297 mortes, respectivamente. O país superou a cifra simbólica de 100.000 mortes e, ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, ofereceu condolências às famílias das vítimas do vírus. Na Pensilvânia, o silêncio de um parlamentar republicano sobre a pandemia provocou a fúria dos democratas. Coveiros com roupas de proteção carregam o caixão uma vítima da Covid-19 no cemitério João Batista, no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (28) Pilar Olivares/Reuters Ao contrário de Nova York, a cidade mais afetada do mundo, Washington foi relativamente poupada do coronavírus, e a capital dos Estados Unidos começou a suspender as restrições nesta sexta-feira. O Brasil registrou seu terceiro pior dia desde o início da pandemia, com 1.156 mortes e um total de 26.754 casos nas últimas 24 horas.

O país também marca, até o momento, o recorde diário de contaminações (26.417), totalizando quase 440.000. Em um país onde faltam testes, os números reais podem ser até 15 vezes mais elevados, segundo os cientistas. A crise da saúde é, por vezes, acompanhada por uma crise alimentar, como no nordeste do país. "Em 26 anos, nunca vi tantas pessoas vivendo angustiadas, ou com fome", disse a fundadora da instituição de caridade Amigos do Bem, Alcione Albanesi. "Tudo parou.

Mas a fome continua", ressalta. Países como Chile e Peru registraram novos recordes nacionais na noite de quinta-feira: o primeiro, em número de mortes (49); e o segundo, de contaminações (5.874). Alguns países têm uma situação um pouco menos dramática, como a Bolívia (cerca de 300 mortes e 5.400 casos), a ponto de anunciar na quinta-feira o levantamento de parte das restrições a partir de segunda-feira. Novas restrições na Coreia do Sul A situação na Ásia, primeiro continente afetado e que parecia ter deixado o vírus para trás, volta a preocupar, com o surgimento de novos casos. Até então vista como um exemplo de controle da doença, a Coreia do Sul restabeleceu as restrições após recuperar a normalidade. Em fevereiro, era o segundo país mais afetado do mundo, atrás da China, antes de conter a epidemia. Depois que os casos dispararam na quinta-feira (28), porém, parques e museus serão fechados por duas semanas, e o número de estudantes na região metropolitana de Seul cairá. Já nesta sexta, os novos casos voltaram a cair, para 58 em comparação com os 79 do dia anterior, o maior aumento em quase dois meses. Enquanto isso, o Sri Lanka reativará as medidas de confinamento, após registrar seu maior aumento diário - a maioria de cingaleses provenientes do Kuwait e de marinheiros de uma base perto de Colombo. Initial plugin text